14 maio 2012

Berlim, parte 1

Até parece que fiquei todas essas semanas de férias né? Não não. Berlim durou uma semana e não passou voando como todas as férias. Foram seis dias andando, pegando metrô, andando, pegando ônibus e andando andando… E foi demais! Tirei muita foto, visitei bastante lugares e por isso tem muita foto e muito que eu quero contar, por isso vou dividir o post em três partes. Porque minha vida anda ocupada e a preguiça anda me visitando!

Pra quem vem de Floripa pra Zurique e vai pra Berlim acha que a cidade é um absurdo de grande. Acostumada a andar por Zurique toda, voltar da balada a pé e no máximo pegar um ônibus rápido, posso dizer que a cidade alemã me fez dar umas boas pernadas. O Amir é apaixonado por Berlim e toda aquele caos visual por causa do grafite (coisas de ex-grafiteiro). É difícil achar uma parede ou edifício “limpo”. Mas no final é isso que faz de Berlim uma cidade totalmente underground, (pelo menos ao meu ver) e mista com punks, muçulmanos, chineses – turistas-  em todo lugar.

Eu fui preparada pra ver alguns museus, o muro de Berlim, claro, e qualquer outra parte história da cidade, mas o que mais cativa meu marido e eu é o turismo gastronômico. Mas se você está pensando em comidas elaboradas e chiques, esqueça, nosso negócio é comer muito, bem e barato. E Berlim é o lugar pra isso! Pizza enorme e deliciosa por 3 euros (em Zurique em torno de 50 francos), Dönner – adoro – por 2,50 euros (em Zurique 12 francos) e por aí vai. E olha que 1 euro tá 1,20 francos então a diferença de preços é realmente gritante!

O Amir me falou que currywurst é famoso por lá e ele mal esperava pra comer, mas não me agradou. A comida é o seguinte: salsicha de porco, cortada em fatias com molho misto de ketchup e curry. Em qualquer quiosque é possível encontrar a salsicha ou nos vendedores ambulantes, que andam com uma tralha nas costas e um grill na frente, e entregam as salsichas fresquinhas, como esses dois da foto acima.

Outra coisa que também me encantou: o povo bebendo cerveja o tempo todo. Eles estão sempre com uma garrafinha de cerveja na mão, seja no metrô ou na rua. O mito do alemão e da cerveja é real! Eu embarquei na brincadeira e bebi cerveja o dia todo. Delícia! O Amir ficou mais no Club Mate, outro vício por lá. É mate com gás, vendido numa garrafa de vidro. Quem não carrega cerveja na mão carrega o mate. E na balada é possível comprar a garrafinha beber um pouco e completar com vodka. Olha eu aí embaixo com a minha garrafinha!

Mas claro que minha passagem por Berlim não se resumiu apenas a comida e bebida, e amanhã eu posto a parte cultural da viagem! Vendo as fotos de novo e relembrando tudo deu uma vontade de ir de novo!


Ou comente por aqui:

Uma resposta para "Berlim, parte 1"

Aline Flor
14-05-2012 @ (15:56)

BERLIN é fantástica!! Me deu uma saudade lendo teu post… vou ver se consigo ir este ano de novo. Estou na expectativa dos proximos posts hein? Beijocassss



Confira os posts recentes!

Karina Azevedo • todos os direitos reservados © 2020 • powered by WordPress • Desenvolvido por