30 jul 2011

Cama, Mesa e Banho

Desde sempre (creio eu) a relação entre mulher e cozinha é “intensa”. Antigamente, a mulher deveria saber cozinhar, passar, lavar e bordar para poder casar. O tempo foi passando, soutiens foram queimados, máquinas foram criadas, mas a ideia de que a mulher DEVE saber cozinhar nunca desapareceu. Não é novidade pra quem me conhece que eu não faço questão nenhum em seguir nenhum padrão. Mas, também não faço isso por rebeldia. Aliás, acho que “quebrar os padrões” para parecer rebelde é super brega. Eu não sei (leia-se não tenho experiência) cozinhar nem lavar (é, eu não sei operar a máquina de lavar, masporque nunca tentei), mas sei passar e bordar. Seria eu uma mulher incompleta?

Minha mãe cozinha muito bem e sempre fez questão de manter a casa em ordem, de cozinhar para toda a família, e fez isso sempre com muita autoridade. Entre na minha casa, vá até a cozinha e comece a mexer em algo e você verá na cara dela a mensagem “A cozinha é minha”. Minha mãe leonina é a rainha do lar, mas digamos que seu trono a cozinha. E por gostar do que faz, ela nunca pediu ajuda na cozinha. Durante a infância, quando eu chegava da escola o almoço já estava na mesa. Quando comecei a trabalhar, chegava em casa e o almoço estava na mesa. Final de semana, todos acordam tarde, mas entre meio dia e 1 hora, lá vai a mãe chamar todos para almoçar, porque o almoço já estava na mesa. E assim, bem desse jeitinho eu nunca aprendi a cozinhar.

Nos últimos meses morando com meus pais, prestei mais atenção a maneira como minha mãe cozinha e até ajudei em algumas coisas, como cortar legumes (haha). Eu nunca liguei pro fato de não saber cozinhar, mas confesso que sabendo que iria casar, eu me sentia um pouco pressionada, apenas por mim mesma. E quando soube que iria ficar dois meses na casa da minha sogra antes de mudar para Zurich, o frio na barriga aumentou. Aqui todo mundo cozinha, às vezes todos juntos, outras um cozinha para todos.

No meu chá de panela ganhei um livro chamado 1000 RECEITAS DA CULINÁRIA BRASILEIRA, dos amigos Natalie e Lucas. Nada melhor do que experimentar essas mil receitas, não? Foi aí que eu tive a ideia de oferecer um jantar no penúltimo sábado e estender a ideia para todos outros sábados.  A pessoa aqui que só fez um risotto (cheio de óleo, mas gostoso) e um molho especial de cachorro-quente (especial porque foi eu quem fez) ia cozinhar para quatro pessoas com hábitos alimentares completamente diferentes do dela. Coragem!

Mas, como eu não me contento apenas com receitas de livro, corri para o telefone pra perguntar à minha mãe como ela fazia. Tudo anotado, fui pra cozinha com o coração em uma mão e um papelzinho na outra. Aos poucos fui pegando jeito e gosto, e fui acreditando que tudo estava dando certo. Começou a baixar a “mãe” que há em mim.

-O que eu devo fazer agora? – perguntou o Amir, já que pedi pra que ele ficasse do meu lado o tempo todo.

-Nada! Se eu precisar eu peço, mas não faz nada! – disse eu, num tom meio autoritário.

– É, já vi que você vai ser exatamente como sua mãe na cozinha. – disse ele, rindo.

Voilà! Depois de muita preocupação por não fritar os bolinhos de arroz, mas sim assá-los, (pois aqui eles raramente comem algo frito) tudo deu certo. Sentamos à mesa para provar meu primeiro jantar para a família Elmallawany. E o meu medo que ninguém gostasse? Ficou lindo e delicioso!

O Amir não parava de falar o quanto estava orgulhoso de mim, porém, mal sabia ele o quanto eu estava orgulhosa de mim mesma. Adoro me surpreender e me superar! Então cá estou eu, que sempre sonhei em seguir uma carreira e ser totalmente independente, mostrando, orgulhosamente, minha primeira janta para meu futuro marido, e esperando, ansiosamente, os próximos passos dessa vida de esposa. Acho que o nome disso só pode ser FELICIDADE.

Update: Esqueci de dizer que o prato foi escondidinho de carne moída e bolinhos de arroz.


Ou comente por aqui:

3 Respostas para "Cama, Mesa e Banho"

Anna
30-07-2011 @ (21:33)

lindo, gata!!


Rochanna
31-07-2011 @ (14:55)

que fofa! amei!


scamilaj
01-08-2011 @ (13:53)

Hummmmmmm! Deu água na boca só de ver…. QUERO MINHA DIETAAAAAAAAA! :P:P hehehe
Amiga, com o tempo começas a perceber que ser feminista não tá com nada… e ser mulherzinha é uma delícia!!! Eu adoro cozinhar pro Felipe… lavar as roupinhas dele (mesmo que eu manche algumas), passas suas camisas (querendo sempre esticar ao máximo), pra mim é uma satisfação! Aprendemos todo dia um pouquinho… truques, segredos, e carinhos que só uma mulher pode te passar. E sabe qual o maior prazer na relação a dois? É quando começas a sentir que o mesmo cuidado é recíproco… quando ELE tenta cozinhar pra ti (o meu faz melhor que eu, isso não tá bem! haha), ELE dobra as tuas roupas, quando precisas sair correndo para um compromisso, ELE te cobre quando estás dormindo e com frio, etc… Isso é único! E sim, isso é o amor….que se pode traduzir, como bem falaste, por FELICIDADE! 😉
Falei demais!! Fui… Beijinhosss querida! Saudades de ti viu!?



Confira os posts recentes!

Karina Azevedo • todos os direitos reservados © 2020 • powered by WordPress • Desenvolvido por