12 maio 2016

Sinal Verde

Por que você, cego de tanto egoísmo não conseguia ver um palmo a frente do seu nariz. Eu estava bem ali.

Pisou no meu pé algumas vezes alegando não saber direito o caminho. Eu saia da frente, pra que o enxergasse melhor, mas ele dizia que seguia melhor comigo.

Os leves pisões doíam um pouco, porém eles fazem parte da longa caminhada, pensava eu. Então eu me mantive um pouco distante, aproveitando a visão de um novo horizonte. A esperança era que no final da rua os caminhos de encontrassem de novo.

Era interessante seguir um caminho diferente e não levar leves empurrões, mas eu voltava, pois achava que aquele era o caminho apropriado, ou pelos menos era, com certeza, a rota planejada. E a rota até então tinha sido planejada pelos dois.

Me atropelou sem dó, e depois voltou pra dizer que não tinha me visto.

Quando eu estava melhor do tombo, me atropelou de novo, dizendo não ter certeza se era eu mesma – que estava na frente.     A dor ja não era mais dos tombos e tropeços.

E assim eu me perdi e esqueci quem era mesmo que causava toda a dor e entrei num labirinto. Mas o labirinto tinha uma rota, só que desta vez, planejada somente por ele. E eu segui, sem saber direito porque.

Um belo dia de sol, meses após ter conseguido – finalmente – sair do labirinto, estamos juntos dentro do carro no sinal vermelho.

Não foi certo ter me atropelado tantas vezes em nome da sua própria loucura.

Quem mandou ter seguido junto a mim depois do primeiro pisão no pé.

 

Sinal verde, podemos seguir.

Captura de Tela 2016-05-12 às 22.33.52
Entre um sinal e outro, uma infinidade de palavras não ditas. Entre a lua e aqui, uma infinidade de mentiras.

Ou comente por aqui:

3 Respostas para "Sinal Verde"

Agda
15-05-2016 @ (13:34)

Você escreve muito bem. Adoro seguir o seu blog, o li inteiro e algumas das suas histórias realmente me tocaram. Espero que você continue escrevendo 😀


Karina Azevedo
15-06-2016 @ (17:21)

Que comentario mais gratificante de ler! Muito obrigada! Continuo sim, mas é que inspiração vem e vai, e as vezes vem no momento errado 🙂


Elvis Pires
14-10-2017 @ (03:55)

Cara, me identifiquei demais com esse texto… tu é mt braba…inicialmente pelo humor… agr por outros artifícios. Adorei tua polivalência. Ahaha Tu escreveu a minha história… me senti ator seguindo um script do ultraromantismo escrito por ti ahahaha…. foram 8 anos de relacionamento, dsd os 17 anos… eu era louco pela então minha primeira namorada séria … mas, com o passar do tempo foram muitos pisões no pé. Muitos tombos. Banquei por muito tempo a relação por acreditar que era natural do processo.
Depois de tantos pisões e tombos percebi que doía não só por eles. Percebi que de fato eu vivia um amor verdadeiro, mas unilateral.
Hoje tou eu com 27… foi tenso até aqui. Mas, só me dá forças pra seguir adiante e ser a melhor versão de mim mesmo. Me formo em Engenharia ano que vem… um sonho…e me preparo pra mudar pra Chuviça como estudante. Ahaha Esperando conseguir ficar. Estive em 2016 por mais de 1 mês e me apaixonei.

Fecho meu comentário com um trecho de música:

” A crueldade de que se é capaz deixar pra trás os corações partidos (…) Saber amar é saber deixar alguém te amar” Herbert Vianna.

Bjos Maravilhosa… descobri que te curto demais! ❤



Confira os posts recentes!

Karina Azevedo • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por